Edward Bach nasceu a 24 de Setembro de 1886 perto de Birmingham, Inglaterra.


A fragilidade de saúde, o amor à Natureza e a devoção às pessoas, três vetores essenciais que marcariam os fugazes 50 anos da sua vida revelaram-se presentes desde tenra infância.

Aos 16 anos, acabada a escola já desejava seguir medicina, mas por respeito à economia familiar, decidiu trabalhar como operário na fábrica de seu pai para assim juntar o dinheiro necessário aos seus estudos.

Aos 20 anos, em 1906, ingressou na Universidade de Birmingham e mais tarde no University College Hospital de Londres. Em 1914, acabada a formação, Dr. Bach era clínico geral, cirurgião e bacteriologista.


Inscreveu-se para prestar serviço militar na recém iniciada guerra de 19014-17 mas pela sua saúde débil foi-lhe recusado o acesso. Não deixou contudo de servir a sua pátria, pois nesses anos foram-lhe encarregues mais de 400 camas no hospital de campanha em Londres.

Em paralelo, trabalhava com afinco como bactereologista assistente na Hospital Medical School.

A sua paixão pela medicina e pelas pessoas levaram-o a trabalhar até à exaustão e efetivamente, em 1917, a sua saúde frágil rendeu-se ao ritmo excessivo e Edward Bach colapsou, sendo imediatamente hospitalizado com uma forte hemorragia. Sem demora foi levado para o bloco operatório, onde os seus colegas o operaram de emergência, removendo um enorme tumor.

Quando retomou a consciência o jovem Bach foi informado que lhe restariam cerca de 3 meses de vida.


Esta era uma época pródiga do seu trabalho, os anos de guerra tinham-no exposto a uma grande dose de experiência clínica, tinha contactado com muitos seres humanos e visto de perto a variedade de emoções com que as pessoas reagem a uma determinada doença. Também o intrigava o facto de um mesmo procedimento médico para um mesmo diagnóstico não ser igualmente eficaz em todos os pacientes... O que faria com que cada um reagisse de modo diferente a um tratamento ou medicamento? Qual seria a condicionante, a "chave" pessoal da cura?

Estas questões bem como a sua preocupação pelas doenças persistentes, que não reagiam prontamente a tratamento médico seriam os 2 pilares das suas pesquisas bacteriológicas, que mais tarde o conduziriam à Homeopatia e por fim à descoberta dos Florais.

Assim que recuperou o suficiente para atuar, Dr. Edward Bach voltou ao laboratório  e trabalhou dia e noite: tinha pouco tempo e uma investigação demasiado importante para concluir! Envolto neste sentido de missão passaram-se dias, semanas e meses - em vez de morrer, encontrava-se mais vivo que nunca!


Isolou 7 bactérias intestinais diferentes, mais tarde relacionou-as com 7 tipologias humanas; desenhou um método de diagnóstico; concebeu 7 vacinas intravenosas e desenvolveu um equivalente oral (já com base na metodologia homeopática).

As suas vacinas tiveram grande sucesso e outorgaram-lhe respeito e estatuto nos círculos de medicina, tanto alopática como homeopática. Foi convidado a pertencer ao Hospital Homeopático de Londres, pela afinidade de seu trabalho com a visão de Hanhemman.

Dr. Bach teve uma carreira médica brilhante, dono de vários consultórios em Harlem Street, um laboratório de investigação bactereológica e chefe de uma larga equipa de trabalhadores e investigardores motivados e dedicados.

Mas apesar do seu sucesso e dos logros alcançados algo parecia faltar... algo mais eficaz no tratamento da doença crónica e recidivante…e algo mais da sabedoria simples da Natureza... métodos mais simples, medicina mais suave e mais "limpa".


Em 1928 descobriu e preparou os 3 primeiros remédios florais e, como bom investigador experimentou com sucesso a sua eficácia em inúmeros clientes. Ano após ano, entre 1930 e 1936, passou os verões em busca das plantas que completariam o sistema floral e os invernos testando os novos remédios, curando centenas de pessoas com este novo sistema e pondo à prova as inúmeras combinações e o sistema em conceção.

Conta-se como um dos episódios mais marcantes para a descoberta dos florais que num jantar social Dr. Bach observou durante toda a noite o comportamento dos vários convidados. Verificou que os convidados tinham semelhanças entre eles a nível de padrões de comportamento, tom de voz e até fisionomia que talvez permitissem agrupá-los por tipologias. Despertou nele a ideia da importância real da ação das diferentes personalidades na cura de doenças. Seriam estas tipologias formas de estar e de reagir à vida? Teriam estas pessoas formas comuns e reagir a diferentes doenças? Poderia um remédio dirigido à sua personalidade reforçar e trazer a peça em falta a um serviço de saúde constantemente em luta contra as recaídas e a resistência crónica de certas doenças? Estaria a medicina a focar-se demasiado na patologia e na fisiologia dos pacientes e a omitir a importância deste factor chave, a compleição mental e emocional de cada ser humano? Poderia o equilíbrio dessas compleição mental e emocional da pessoa através de um novo sistema médico ajudar a equilibrar, revitalizar e regenerar a saúde física e imunológica de um paciente?

Todo esse ano Bach calcorreou campos e costa, trazendo e analisando todo tipo de especímenes de plantas, testando os remédios concebidos. Mas foi apenas a fins de setembro e por pura intuição que encontrou em Gales as primeiras 3 plantas que comporiam o sistema: Mimulus, Impatiens e Clematis.


Homem de visão e coragem, em 1930 Dr. Bach deixou Londres, seu consultório, laboratório e carreira de sucesso e com o pouco dinheiro reunido partiu em busca de um novo sistema médico.

Ano após ano, entre 1930 e 1936 passou os verões em busca das 38 plantas que completariam o sistema floral e os invernos testando os novos remédios, curando centenas de pessoas com este novo sistema e pondo à prova as inúmeras combinações e o sistema em conceção.

O sistema foi-se construindo, revelando e concebendo à medida que na mente de Dr. Bach - intuitiva e científica em partes iguais - o sistema tomava vida, com enorme meticulosidade e rigor, hasteando a proposta de democratizar a cura, de conceber uma medicina simples (com o grau de dificuldade sublime e complexo que tal implica!), ao alcance de todos, que ajudasse a empoderar e a curar o maior número de pessoas possível, de forma singela, informal, inócua, laica e simples. Que qualquer pessoa, médico ou agricultor, pudesse aceder ao futuro sistema floral, o entendesse e o utilizasse para se reequilibrar como um todo, disponibilizando ao corpo físico o suplemento de vitalidade, energia e equilibrio imunitária necessários à saúde em geral.  

 

Em 1936 o Sistema de Remédios Florais do Dr. Bach estava dado por completo, contra ventos e marés e à custa do seu próprio sofrimento físico e mental pois durante a descoberta de várias plantas ele sentiu na sua pele os mesmos padecimentos físicos e tormentos interiores para os quais buscava antídoto, e só encontrava tranquilidade física, emocional e mental quando descobria a planta adequada.

 Todas as emoções humanas básicas estavam contempladas, todas os remédios que lhes correspondiam tinham sido desenvolvidos. Uma última edição explicando com renovada clareza e frugalidade o modo de utilização dos remédios fora publicada e Dr. Bach e o seu legado entregue nas mãos dos seus fiéis seguidores Nora Weeks e Victor Bullen. Tendo completado a missão da sua vida, partiu em paz, a 26 de Novembro de 1936.

 

Edward Bach, homem inspirado e inspirador, possuía o dom incrível de apaziguar, paliar e curar aqueles que o rodeavam, com o mais pequeno gesto. 

Era um homem generoso e dedicado, intenso, apaixonado e desprendido dos bens materiais. Sempre partilhou o seu conhecimento de forma pronta e desapegada, o seu maior e único interesse era o bem estar de todos os seres humanos.

Mundano em igual dose que espiritual, brincava, ria, cantava, jogava à bola, fumava em demasia e enfurecia-se de vez em quando. Mas sobretudo, e para quem se detenha a conhecer em maior profundidade a história da sua vida, foi um homem que viveu a sua missão. Soube escutar o seu Eu superior e germinar e fazer florescer a semente divina que trazia dentro de si. E o seu legado, o sistema de remédios florais que nos deixou, é no fundo - claro que por palavras minhas! - um kit de jardinagem para florescer sementes divinas em corações humanos.